segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Nota do Instituto Lula desperta a ira de procuradores americanos


O Instituto Lula na açodada e desesperada defesa do ex-presidente, acaba de arrumar mais um inimigo, extremamente poderoso.
Em nota divulgada o instituto cometeu grave ofensa aos procuradores americanos, taxando-os de ‘mentirosos’. O trabalho extremamente técnico do Departamento de Justiça foi enxovalhado.
Diante disso ‘O Escândalo da Petrobras’ ganhou ainda maiores dimensões nos Estados Unidos.
Diversas publicações americanas replicaram a nota divulgada pela instituição do ex-presidente brasileiro.
O Instituto Lula, sobre as revelações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, noticiadas na semana passada pela imprensa brasileira, afirmou que são as mesmas ilações e falsas denúncias contra o ex-presidente dos últimos dois anos; que ‘uma mentira será sempre mentira, em português ou inglês’, e que agora a Lava Jato apela para uma estranha parceria com procuradores de um país estrangeiro para obter alguma credibilidade.  
Na nota, o instituto também afirma que, nem no Brasil, nem em qualquer país do mundo, existem provas de envolvimento do ex-presidente Lula em desvios de dinheiro.
Uma linha complicada a que segue Lula, demonstrando insanidade diante do bombardeio internacional de acusações e denúncias.
Certamente, não terá um final feliz.

http://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/4636/nota-do-instituto-lula-desperta-a-ira-de-procuradores-americanos

da Redação 

Brasil pós-Odebrecht


Pegou muito mal. Não foi um sujeito qualquer. Foi o nosso presidente, o próprio Emílio Odebrecht, quem disse. Em autodelação à Lava Jato, ele contou que vinha governando o Brasil há décadas. Mantinha todos os pró-homens da República na folha do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht. A revelação expôs a incompetência da imprensa. E o blog, que sempre imaginou que as ordens partissem do Palácio do Planalto, decidiu fazer uma reciclagem.
Em férias a partir desta segunda-feira (26/12), o repórter se dedicará nas próximas duas semanas a sondar o abismo, que é o outro nome do Brasil pós-Odebrecht. Para evitar novos erros, convém responder rapidamente a grande indagação: o que será do país sem o Departamento de Propinas da Odebrecht? Em meio a tanta esculhambação, é preciso reconhecer que a única coisa que funcionava bem no Brasil era o Departamento de Operações Estruturadas. O grande erro foi a tentativa de dissimulação.
Se a Odebrecht tivesse se apropriado abertamente do governo, não estaria agora sendo acusada pela força-tarefa da Lava Jato de comprar o governo dos outros. Um governo escancaradamente da Odebrecht substituiria o regime constitucional brasileiro com muitas vantagens. Os políticos teriam que justificar o dinheiro recebido batendo o ponto. Os congressistas precisariam molhar a camisa de segunda a sábado, em horário comercial. Exatamente como a peãozada nos canteiros de obras, em meio à lama e ao movimento de máquinas pesadas.
As obras seriam todas da Odebrecht. A exclusividade eliminaria o inconveniente da formação de carteis. E haveria um surto de moralidade no país. A democracia estaria preservada. A cada quatro anos uma subsidiária diferente da Odebrecht assumiria o poder. A Construtora Odebrecht seria substituída pela Odebrecht Energia, que seria sucedida pela Brasken, que daria lugar à Odebrecht Óleo e Gás… A auto-alternância no poder causaria inveja no resto do mundo. E a Odebrecht não precisaria mais comprar políticos da oposição, já que se oporia a si mesma.
Durante as férias, o repórter pretende reunir elementos capazes de demonstrar que a alternativa ao abismo talvez seja converter a nação brasileira, oficialmente, numa imensa Odebrecht. Se o Departamento de Operações Estruturadas fez e desfez por tanto tempo, alguma coisa há de ter feito —ou desfeito— de bom para os políticos. E poderia fazer o mesmo pelo povo brasileiro.
Bem verdade que haveria o inconveniente de ter que revogar a República. Mas quem conseguiu implantar uma cleptocracia com tanta facilidade não teria dificuldade para comprar um projeto de lei restaurando a monarquia no Brasil. Marcelo Odebrecht, o príncipe herdeiro, está na cadeia. Entretanto, se o ministro Teori Zavascki homologar o acordo de delação premiada, a cana será revogada no final de 2017. Aguardem. O blog volta em duas semanas com a solução para livrar o Brasil do abismo a partir de 2018.